NA ROTA DE GUILIN

Depois de três dias intensos em Chengdu, cidade que adicionámos aos favoritos da viagem, fomos apanhar o comboio para Guilin, o trecho mais longo que faríamos de comboio-bala na China, com a duração exata de seis horas e meia. Saímos de manhã, despedimo-nos das simpáticas, profissionais e sempre mais que disponíveis funcionárias do hotel que sorriam sempre que as abordávamos com as questões do costume turístico. O táxi, de porta-bagagem aberto, esperava-nos um pouco à frente da entrada. Uma das funcionárias do hotel não hesitou num daqueles atos de simpatia que ficam para sempre atravessados na China. Saltou detrás do balcão e veio ajudar-nos com as malas, soltando risinhos de apoio e coragem. Sabia que íamos para uma estação de comboios, estação de Chengdu Dong, onde a multidão em trânsito deixa sozinho e mudo o passageiro, apressado, nervoso, com medo de perder o lugar. Sabia que íamos a caminho de Guilin, na região sul. Lá íamos nós no caminho da parte mais cénica da nossa viagem, da China e provavelmente do mundo. Fechou o porta-bagagens, dirigiu-se ao taxista e disse-lhe Chengdu Dong. Esperou que entrássemos no carro. Quando fechei a porta consegui ainda vê-la a sorrir pelo retrovisor.

Adeus Chengdu, quando um dia voltarmos saberemos onde ir.

Esta entrada foi publicada em China. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s